O Lago mais Explosivo do Mundo


O Kivu é um lago de água doce situado num vale de rifte vulcanicamente ativo ( situado na fronteira da República Democrática do Congo com o Ruanda). É extremamente profundo: no seu ponto mais baixo seria possível empoleirar a Torre Vasco da Gama em cima de três hotéis Sheraton de Lisboa e ainda ficar com cerca de 40 m até à superfície. Retidos nas suas camadas mais fundas estão cerca de 256 km3 de dióxido de carbono dissolvido e mais 65 km3 de metano dissolvido.

Este enorme volume de gás só se mantém lá porque as águas profundas do lago não costumam misturar-se com as camadas da superfície. Mas uma erupção vulcânica poderia desencadear a libertação de todo o gás ao mesmo tempo. Foi o que aconteceu em 1986 no lago Nyos, nos Camarões. Nessa ocasião, uma nuvem de dióxido de carbono gasoso invisível saiu do lago e desceu a encosta a cerca de 50 km/h, Como o CO 2 é mais pesado do que o ar, substitui o ar respirável junto ao solo. Mais de 1.700 pessoas sufocaram até à morte, numa zona que se estendeu por 25 km em torno do lago.

O mesmo poderia acontecer no lago Kivu, o que é preocupante, mas numa escala muito maior. Além de o volume de gás libertado poder ser mais de 300 vezes superior, as margens do lago são habitadas por dois milhões de pessoas.

O que Transforma um lago numa bomba-relógio?

Extração Comercial:

Tubos que chegam ás camadas profundas extraem o gás para recolher o metano.

Vulcão:

A actividade vulcânica à volta do lago leva o dióxido de carbono a infiltrar-se na agua.

 

Camada da superfície:

As camadas da superfície e da água profunda não se misturam, retendo o gás na camada do fundo.

Pressão:

A alta pressão da água profunda matém os gases em solução.

Bactérias

A alta pressão da água profunda mantém os gases em solução.

 

Lago Kivu